quarta-feira, 2 de março de 2016

Escrever para nunca mais esquecer

(Este post foi escrito madrugada dentro, na véspera dos anos do meu filho Sebastião).
Há memórias dos nossos filhos que ficam para sempre. Outras que nem tanto, não por serem menos marcantes, mas por ser impossível registar tudo. É por isso que escrevo. Escrevo (quase) tudo o que gostaria de me lembrar daqui a uns anos, quando os meus filhos forem uns homens feitos.
Tenho um bebé perfeito de 6 meses, um filho arrebatador que acabou de fazer 4 anos, e um filho sensacional que vai a caminho dos 6. Não posso pedir mais nada. Só mesmo que o tempo congelasse, e assim ficasse, para sempre. Queria acordar para sempre com braços pequeninos enroscados ao meu pescoço. Queria ouvir para sempre a palavra Mãe com aquelas vozinhas de pintainhos que só eles sabem. Queria andar para sempre de mão dada com os meus filhos. Queria poder carrega-los para sempre às cavalitas, com conversas fiadas sobre as suas possíveis namoradas. Queria sentir para sempre aquele cheirinho a bebé, que só as Mães sabem. Queria brincar para sempre aos playmobils e aos legos, fazendo macacadas e encenando fantochadas. Queria deitar-me para sempre sabendo que sou a maior sortuda deste planeta, com os bebés maravilhosos que me calharam na rifa. E, nas alturas mais tristes, de maior sufoco, queria poder amparar-me para sempre naqueles beijinhos lambuzados, que curam qualquer ponta de ansiedade, na hora da verdade. Por isso, vou aproveitar tempo de qualidade com os meus filhos, para que daqui a uns anos possa viver sem uma réstia de peso na consciência por não ter aproveitado o melhor da vida: os meus tesouros mais preciosos.

Quando olho para fotografias como esta, tenho a certeza que o meu papel neste mundo está a ser cumprido na perfeição!



Pssst: E por falar em tempo de qualidade com os nossos filhos, já experimentaram em juntar a educação com a diversão? Na Helen Doron - Foz tudo isso e muito mais é possível! Dos 3 meses aos 3 anos, os Pais podem juntar-se às aulas dos filhos, aprendendo a brincar, e acompanhando a sua estreia no inglês, com jogos, danças, música e muito mais. Para as crianças mais velhas, que já vão sozinhas às aulas, os Pais podem sempre engrenar nos DVD´s e CD´s, cantando no carro ou trauteando em casa as canções do Flupe, do Paul e da Granny Fix. Nós por cá, adoramos. E por aí?






2 comentários:

  1. Palavras lindas. Sente-se em cada palavra a paixão e dedicação. Parabéns família linda.

    ResponderEliminar